terça-feira, 20 de outubro de 2009

Financeiras dificultam a quitação antecipada de dívida



Clientes reclamam de taxas e de valores cobrados para a liquidação da pendência
Quem quiser quitar um empréstimo antes do prazo estabelecido em contrato encontra dificuldades nos bancos e financeiras. De acordo com o Banco Central, foram 9.062 reclamações registradas no sistema da autoridade monetária sobre tal problema de janeiro a agosto deste ano. E esse motivo lidera o ranking de queixas no BC.

A instituição financeira com o maior volume de reclamações é o BMG, com 2.919 queixas de consumidores que não conseguiram liquidar o empréstimo antecipadamente. Em seguida vem o Banco Pine, com 1.967, e o Banco Bonsucesso, com 670.

De acordo com a supervisora da área de assuntos financeiros do Procon-SP, Renata Reis, a reclamação mais recebida pelo órgão de defesa do consumidor é referente à diferença de valor na conta final para a quitação do débito. `A dúvida principal é sempre sobre valores. O que o consumidor precisa ter claro é que quando ele quer antecipar, ele tem de ter o desconto referente ao juros que ele teria de pagar em cada parcela a ser quitada. Isso vale para quem vai pagar tudo ou apenas alguns meses`, explica.

Outro motivo para reclamação é a Tarifa de Liquidação Antecipada (TLA) cobrada por alguns bancos. De acordo com Renata, desde dezembro de 2007 essa tarifa foi extinta pelo BC, mas ainda há instituições que a aplicam no caso de contratos assinados antes dessa data.

Contudo, a supervisora afirma que a cobrança da TLA - que varia entre R$ 700 e R$ 3 mil, de acordo com o Procon-SP - é indevida. `Cobrar a tarifa é como anular o desconto dado pelo adiantamento da quitação do crédito`, afirma.

Os consumidores que entraram na Justiça para reaver o pagamento da TLA ou o pagamento excedente estão conseguindo receber o valor em dobro. `É o que garante a lei. O valor cobrado indevidamente é pago em dobro. Os juízes têm entendido que o consumidor tem razão e têm dado ganho de causa para os clientes das financeiras mesmo quando o banco recorre da decisão`, diz Renata. O prazo para reclamar por meio de ação judicial é de três anos.

Mudança
Nos números do BC de abril para maio há uma queda significativa na quantidade de reclamações. O órgão justifica que a redução se deve à mudança no critério de definição de reclamações procedentes - alguns casos deixaram de ser consideradas queixas para o BC e passaram a se enquadrar no Código de Defesa do Consumidor -, além de uma maior fiscalização da entidade quanto aos procedimentos dos bancos. De acordo com órgão, grande parte dos casos são de crédito consignado (que é descontado diretamente do benefício) para aposentados e pensionistas da Previdência Social.

O BMG, que lidera o ranking das reclamações, afirma que tem diminuído o número de casos nos últimos meses e que os dados do BC não levam em consideração os seus quatro milhões de clientes.

Os bancos Pine, Cruzeiro do Sul e Bonsucesso explicam que as reclamações ocorrem principalmente por ação de terceiros, que teriam interesse em liquidar a operação do cliente, que dessa forma ficaria em condições de contrair um novo empréstimo na instituição para a qual o autor da queixa trabalha. Segundo o Pine, muitos agentes ligavam para o banco em nome das pessoas que de fato tinham o financiamento. Mas por motivos de segurança e sigilo, o banco não podia realizar a liquidação. Além disso, esses agentes procuravam diretamente o BC e registravam a reclamação antes mesmo de entrar em contato com o serviço de atendimento do Pine.

Confirmação
No Bonsucesso, o diretor jurídico da instituição Álvaro Loureira afirma que nos contatos de retorno aos clientes que realizaram a reclamação, apenas 10% confirmaram a queixa. `Mesmo assim não podemos desprezar os dados do BC e trabalhamos para reduzir cada dia mais o número de reclamações`, diz.

Já os bancos Santander, HSBC, Caixa Econômica Federal e BV Financeira afirmam que estão aprimorando o seu atendimento para a quitação antecipada de empréstimos. Caixa, BV Financeira, além do Bonsucesso enfatizam ainda que não cobram taxa de quitação antecipada desde que o BC determinou o fim de tal tarifa.
Fonte: IDEC, 16 de outubro de 2009. Na base de dados do site www.endividado.com.br.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Botando ordem na vida financeira: de gastador a poupador em 7 passos


Primeiro passo: Decida-se, de verdade, a planejar sua vida financeira. Para tornar essa empreitada mais saborosa, defina objetivos para esse esforço: aposentadoria, educação dos filhos, uma viagem espetacular, a compra da casa própria ou de um carro. Estabeleça as prioridades e prazos realistas para alcançar cada meta.


Segundo passo: Nesse processo é fundamental conhecer as despesas e receitas de sua família. Durante um mês anote rigorosamente todos os gastos e compare com os ganhos. Você vai se surpreender ao perceber quanto dinheiro está sendo desperdiçado. Lembre-se que, a partir de agora, cada centavo poupado vai deixá-lo mais próximo de alcançar seu objetivo. Por isso, não hesite em cortar pequenas despesas, como o aluguel de DVDs que ninguém assiste ou - coragem! - a cervejinha do fim de tarde.


Terceiro passo: Faça (e agarre-se a ele) a um orçamento familiar. Chame sua família a participar. Peça que façam sugestões de corte de gastos. Explique a necessidade de diminuir as despesas para que vocês construam uma poupança. Seduza-os contando o objetivo da tal poupança. Depois disso vai ficar muito mais fácil convencê-los a pensar duas, três, mil vezes, antes de adquirir um bem de consumo. Afinal, será que vocês realmente vão precisar dele?


Quarto passo: Livre-se das dívidas. Os juros que você paga no cheque especial ou no crédito direto ao consumidor podem virar receita se, em vez de consumir, você aplicar o dinheiro para comprar à vista mais adiante.


Quinto passo: Todo mês reserve parte de sua renda para investimento. Antes de fazer qualquer despesa, aplique o dinheiro. Guarde parte do 13° salário, para iniciar ou reforçar a poupança.


Sexto passo: Não seja ávido demais. Não tente compensar de um dia para o outro anos e anos de gastança . Use a cabeça. Nem sempre a aplicação que oferece maior rendimento é a melhor para você. Lembre-se que quanto maior a chance de lucro, maiores também são os riscos. Portanto, seja sensato e avalie, cuidadosamente, a liquidez, rentabilidade e segurança da aplicação.


Sétimo passo: Procure instituições financeiras de comprovada idoneidade. Fuja daquelas que prometem lucros extraordinários em curto espaço de tempo. Milagres financeiros simplesmente não existem.



Informações pesquisadas no site gbolso.com.br

quarta-feira, 3 de junho de 2009

FINANCIAR CARRO VALE A PENA HOJE ?


Financiar um carro zero km é um bom negócio diante da desvalorização que sofrerá ao final do contrato? Essa é a questão que mais preocupa o consumidor na hora da compra. Hoje, um veículo novo perde de 15% a 20% de ser valor logo que sai da loja. "E ainda vai caindo de preço de 5% a 20% anualmente, dependendo do modelo", afirma Airton Fontes, economista da consultoria de mercado MSantos.


Outro ponto que Fontes recomenda é que seja avaliado é que um financiamento de 80 meses, por exemplo, fará com que o consumidor pague ao mesmo tempo o veículo que não vale o mesmo de quando teve o contrato de financiamento fechado e a manutenção desse carro, que no fim do contrato terá cerca de 6 anos de uso.


"Na análise pelas taxas, fazer um financiamento acima de 60 meses também não valerá a pena porque as financeiras equalizaram os juros cobrados para modalidade de longo prazo. Para 60, 72 ou 80 vezes, é a mesma taxa", comenta o economista da MSantos.


No auge dos financiamentos de veículos, o mercado chegou a oferecer no início do ano passado veículos em até 99 meses, mas com a crise, os prazos foram cortados para 32 parcelas mensais no final de 2008. "Mas de todos esses mais longos, o de 60 vezes foi o que melhor se adaptou ao bolso do brasileiro. O restante não emplacou", diz Fontes


Finanças


Para os economistas especializados em finanças, se o consumidor quiser aproveitar o momento atual de redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), o aconselhável é parcelar apenas 20% do valor do veículo e no prazo máximo de 12 meses. "Um carro de R$ 25 mil financiado em 60 meses ao juros de 2,5% mensais sairá R$ 48.530 no final, por exemplo", afirma o professor de Finanças da Fundação Instituto de Administração (FIA), José Carlos Luxo.


A recomendação do professor é que o consumidor faça uma poupança para atingir o valor do carro. Se for feita no mesmo período e com a aplicação da mesma parcela de um financiamento, o poupador terá mais que o dobro no final do período estipulado.


O educador financeiro Reinaldo Domingos afirma que outro ponto necessário a ser levado em consideração na troca e financiamento é o custo mensal que esse veículo terá além do preço da parcela. "Um carro de R$ 20 mil gasta entre R$ 450 e R$ 600 com manutenção, impostos e combustíveis por ano", comenta.


Mas se o consumidor quer aproveitar o período de impostos em baixa, Fontes afirma que uma boa prática é a pesquisa de preço na hora de adquirir o veículo novo. "Para quem vai comprar um carro zero, a primeira dica é pesquisar em pelo menos quatro concessionárias.


A pessoa vai perder o fim de semana mas isso vai ser um benefício para ela. Essa história de preço tabelado não existe. O preço praticado por cada loja vai depender do estoque da concessionária e da situação financeira do lojista", comenta o consultor. "Quem precisa desovar estoque vai praticar um preço mais baixo, e esse desconto que o consumidor tem que encontrar. E é preciso visitar a loja pessoalmente", afirma o economista.

terça-feira, 2 de junho de 2009

FINAL ( A SITUAÇÃO APERTOU )


FINANCIAMENTO DE CARRO E CASA



Atrasar o pagamento da prestação do automóvel ou da casa própria pode gerar conseqüências bem negativas. Mesmo sendo das modalidades de financiamento mais baratas do mercado, você corre o risco de retomada do bem.
Por se tratar de bens de maior valor agregado, a tendência é que a retomada ocorra em, no máximo, três meses. Caso isso aconteça, além de perder o carro (ou a casa) você continua devendo, sobretudo no caso do financiamento de autos. Isso porque, ao contrário do que acontece com o imóvel, o veículo sofre depreciação, ou seja, vale menos do que quando foi comprado, o que é mais difícil de acontecer no caso dos imóveis.
Assim, neste caso, a instituição financeira pode levar o auto a leilão, e com o dinheiro da venda precisa pagar também as despesas com todo este processo, como o trabalho do oficial de Justiça, advogados, guincho, estacionamento etc. Em alguns casos, mesmo vendendo o carro, o dinheiro da venda não é suficiente para cobrir o saldo devedor e todos estes gastos extras, de forma que resta um saldo a ser quitado. Exatamente por isso, o pagamento das prestações destas duas modalidades de financiamento merece prioridade na hora de decidir o que pagar.


EQUILÍBRIO FINANCEIRO DEVE SER A META


Ainda que existam momentos em que seja preciso priorizar os pagamentos, o ideal é que você consiga recuperar o seu equilíbrio financeiro o mais rápido possível, e para isso é importante estabelecer um plano de quitação das suas dívidas. Por equilíbrio entende-se não ter mais do que 30% do seu orçamento mensal líquido comprometido com o pagamento de prestações. Use este limite para ajudá-lo a tomar decisões de consumo.
Sempre que uma nova compra levar o seu endividamento para acima deste teto, você deve optar por adiar a compra até conseguir quitar outra dívida. Lembre-se:
Quando o grau de endividamento é muito alto, tem-se uma sensação ilusória de controle, uma vez que basta uma pequena adversidade financeira para você se endividar novamente.

Informações pesquisadas no site Info money

quinta-feira, 28 de maio de 2009

CONTINUAÇÃO ( A SITUAÇÃO APERTOU )


CRÉDITO ROTATIVO: CHEQUE OU CARTÃO


Por mais que a recomendação possa surpreender, nos casos de endividamento temporário, pode valer a pena optar por utilizar o crédito rotativo do cheque especial e do cartão de crédito.


Sob essa ótica que não analisa apenas os encargos financeiros, pode valer mais a pena pagar juros extras no cartão e no cheque por alguns meses do que não efetuar o pagamento de um crediário, de empréstimo pessoal, ou financiamento imobiliário, pois nesses outros casos, ainda que os juros sejam menores, você corre o risco de ter o nome sujo ou sofrer a retomada do bem.


Mas, como escolher entre o cheque ou o cartão? Se você ainda não estourou o limite do cheque especial, ou seja, se você ainda não emitiu nenhum cheque sem fundo, então o melhor é pagar integralmente a fatura do cartão, deixando para rolar a dívida no cheque especial por mais algum tempo.


Não só os juros do cheque especial são mais baixos do que os do cartão, como ao atrasar, desde que não seja emitido cheque sem fundo, não há outros encargos. Por sua vez, no cartão, se você não efetuar o pagamento mínimo, deve também arcar com uma multa de mora de 2%. Além disso, dependendo do relacionamento que você tem com o seu banco, é possível negociar alguns dias de carência sem juros no cheque. Em outras palavras, você consegue mais alguns dias para cobrir o limite do cheque especial sem custo adicional.


A situação, contudo, se inverte caso você já tenha estourado o limite do cheque especial, pois nesse caso seu nome pode ser incluído no cadastro de inadimplentes, e é preciso arcar com outros custos. Pois é isso mesmo, ao emitir cheque sem fundo e ter seu nome incluído ou excluído do cadastro de inadimplentes, você tem que pagar uma tarifa.
Essa tarifa é cobrada por evento, ou seja, por cheque sem fundo emitido ou por inclusão no cadastro de inadimplentes.


CREDIÁRIO: RISCO DE RETOMADA É MENOR

Para quem estourou o limite do cheque especial e não tem como arcar com todos os encargos financeiros, os fatores a considerar em termos de prioridade são os custos e o risco de retomada do bem.

Diante disso, você deve optar por atrasar a dívida cujos juros e o risco de retomada de bem sejam relativamente menores. Esse é o caso, por exemplo, do crediário, que é oferecido pelos grandes varejistas para a compra de eletrônicos e eletrodomésticos, entre outros. Em geral, os juros cobrados nesse tipo de financiamento tendem a ser mais baixos do que as outras linhas de crédito existentes no mercado, até porque os bens servem de garantia.

A inclusão na lista de inadimplentes é relativamente rápida: demora de 10 a 15 dias. Por outro lado, é bastante improvável, dado o valor do bem, que os credores exijam sua retomada imediata. Afinal, este processo é bastante custoso e, às vezes, não compensa ao comerciante ir atrás do aparelho de som ou DVD, por exemplo.

Além disso, existe a possibilidade de se vender o bem alvo do financiamento, de forma a obter recursos para quitar a dívida. Ainda que essa não seja a solução ideal, uma vez que a intenção era comprar o bem, ela permite que você regularize sua situação financeira. Depois, com um maior planejamento financeiro, você pode até voltar a comprar o aparelho, mas quando seu endividamento for menor!


Informações pesquisadas site info Money



quarta-feira, 27 de maio de 2009

A SITUAÇÃO APERTOU? VEJA O QUE PAGAR PRIMEIRO


SEM DÚVIDA O MELHOR É SEMPRE PAGAR EM DIA; MAS, QUANDO ISTO NÃO É POSSÍVEL, É PRECISO PRIORIZAR AS DÍVIDAS PARA EVITAR PROBLEMAS MAIORES EM SEU ORÇAMENTO.


Viver endividado não é nada fácil. Imagine a angústia de ter o nome na lista dos inadimplentes e dormir sabendo que quitar as dívidas se tornou uma tarefa praticamente impossível!
Em alguns casos, as pessoas acabam emocionalmente abaladas ao perder o controle de sua vida pessoal. Existem várias razões que podem levar uma pessoa a enfrentar dificuldades financeiras e se endividar. Contudo, é preciso entender se estamos falando de uma situação temporária, ou não.


SITUAÇÃO TEMPORÁRIA OU NÃO?


Muitas vezes basta um evento extraordinário para que você perca o controle financeiro da sua vida. Nesse tipo de situação, nossa recomendação é que você se esforce ao máximo, cortando todos os gastos que puder, de forma a sair rápido desta situação.
Em nossa análise estamos considerando que a situação de endividamento é temporária, e que pode ser resolvida em alguns meses. Essa consideração é importante, pois não considere apenas o patamar de juros cobrado, mas também outros aspectos de riscos envolvidos no atraso do pagamento dos encargos de uma determinada dívida.
Por outro lado, em uma situação de endividamento crônico, mais do que priorizar pagamentos é preciso rever de forma significativa não só o seu padrão de gastos, como identificar fontes alternativas de renda para reduzir ao máximo o déficit no orçamento, assim como procurar ajuda especializada.


ENTENDER OS RISCOS É PRIMEIRO PASSO.


Quais os riscos que você corre ao atrasar o pagamento de uma dívida? O primeiro deles é ser considerado inadimplente e ter seu nome incluído no cadastro de maus pagadores do Banco Central, o que pode lhe causar muita dor de cabeça no dia a dia. E, o segundo, igualmente importante, é o custo que essa decisão acarreta!É frente a esses riscos que você deve priorizar quais dívidas deve pagar primeiro quando a sua situação financeira apertar.
Assim, é preciso analisar com calma as condições previstas nos financiamentos que você levantou, para só então tomar uma decisão quanto ao que priorizar. Vale destacar que a idéia aqui não é de, em absoluto, advogar que você não pague as suas prestações, mas sim entender quais as conseqüências em caso de atraso das principais modalidades de crédito existentes. Além disso, é preciso entender o saldo devedor em cada caso, assim como, o prazo durante o qual a dívida será atrasada.


Informações pesquisadas site info Money

segunda-feira, 27 de abril de 2009

AH SE CONSELHO FOSSE BOM...


HÁ POUCO TEMPO EU DEI CONSULTORIA PARA ALGUMAS PESSOAS QUE PERDERAM OS SEUS EMPREGOS.

A PERDA DO EMPREGO NÃO TEVE NADA A VER COM A CRISE MUNDIAL.

A DÚVIDA ERA A SEGUINTE:

“O QUE EU DEVO FAZER COM O DINHEIRO QUE RECEBEREI PELO TEMPO QUE FIQUEI EMPREGADO?”

EU RESPONDI:

VOCÊS RECEBERÃO UMA BOA QUANTIA EM RELAÇÃO AO TEMPO QUE FICARAM EMPREGADOS, EM QUE CONSEGUIRÃO SE MANTER POR ALGUNS MESES.

COLOQUEM ESSE VALOR NA POUPANÇA E TENTEM USAR SÓ O AUXILIO DESEMPREGO (AUXILIO DADO PELO GOVERNO, POR UM DETERMINADO PERÍODO, PARA AS PESSOAS QUE PERDERAM SEUS EMPREGOS).

COM O FGTS, APLIQUEM NUM CDB, DI OU NO TESOURO DIRETO.
POIS ESSE DINHEIRO PODE AJUDAR LÁ NA FRENTE. SE VOCÊS ESTIVESSEM EMPREGADOS SÓ PODERIAM MEXER NESSE DINHEIRO NO CASO DA COMPRA DE CASA PRÓPRIA.

COMO ELES NÃO SABIAM QUANTO TEMPO FICARIAM DESEMPREGADOS, DEI O SEGUINTE CONSELHO:

NÃO COMPREM NADA SUPÉRFLUO AGORA. CONTINUEM VIVENDO COMO SE ESSE DINHEIRO NÃO EXISTISSE.

EM MUITOS CASOS AS PESSOAS COMPRAM COISAS QUE PODERIAM ESPERAR MAIS UM POUCO, COMO ROUPAS, ELETRODOMÉSTICO E ATÉ CARROS.

O QUE EU NÃO ENTENDO É POR QUE AS PESSOAS SÃO TÃO CONSUMISTAS? COMPRAM POR COMPRAR. NÃO PENSAM NAS DIFICULDADES FINANCEIRAS QUE PODEM ENCONTRAR PELA FRENTE.

EU NÃO DIGO:
“NÃO TENHA FILHOS” (APENAS SE PROGRAME PARA ISSO)

“NÃO COMPRE SEU CARRO TÃO SONHADO” (APENAS TENTE JUNTAR O MÁXIMO DE RECURSO PRA COMPRAR ESSE BEM A VISTA E GARANTA UM BOM DESCONTO)


MAS PARECE QUE OS CONSELHOS NÃO SERVEM PRA NADA.

AS PESSOAS CONTINUAM GASTANDO SEM NECESSIDADE.

ENTÃO POR QUE ELES ME PROCURAM PEDINDO CONSELHOS SE NÃO SEGUEM A DICAS!!

MAS FICA AQUI O MEU RECADO VOU CONTINUAR NA MINHA LUTA PARA AJUDAR AS PESSOAS QUE ACREDITAM QUE PODEM VIVER BEM FINANCEIRAMENTE

VAGNER MENESES PEREIRA (FLY)

terça-feira, 7 de abril de 2009

À vista ou parcelado?


Há um ano venho planejando a compra de alguns produtos e serviços para minha casa nova. Alguns pagamentos fiz à vista e outros parcelados, que chegavam a ter um ano e meio de prazo, pois esse era o tempo de entrega que eu tinha. Pensei: como tinha tempo pra entrega, poderia pagar aos poucos.

Com essa experiência, fiz uma grande descoberta: todos os produtos que paguei à vista tive problemas de entrega, mesmo com tempo de sobra que as lojas tinham pra isso.

Você deve estar se perguntando porquê? Vamos então analisar:

Quando você paga um produto à vista e fica dependendo da entrega, as lojas e os serviços contratados sempre arranjam uma desculpa para não entregar no prazo. Como este produto já foi pago, a empresa simplesmente age como se não fosse mais importante. Ela parece não se importar em agradar ao cliente, pois a parte dela já foi recebida, não tem que dar prioridade na entrega.

Se você paga o produto à prestações ou 50% na entrega e 50 % na entrada, os produtos chegam mais rápidos, pois a empresa está preocupada se receberá a parte devida ou não. Ela tem pressa em receber o dinheiro.

Com isso, concluo que, como consumidores, temos duas opções:

Ganhamos descontos no pagamento à vista e ficamos esperando a boa vontade das empresas em entregar no prazo combinado ou parcelamos as compras, perdemos os descontos, mas os recebemos na data prevista.

Para não cair na armadilha dos juros, sugiro parcelar as compras em duas vezes: 50% no ato e 50% na entrega. Assim, você não paga a mais pelo produto e garante que ele seja entrega no prazo.

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Dicas para você não entrar em desespero


Milhões de brasileiros estão endividados. Caíram na armadilha do “crédito fácil”. Acharam que um empréstimo era um bom investimento, que o cartão de crédito era uma ótima opção para gastar e pagar contas, que o banco era seu amigo e os considerava ótimos clientes, por isso lhes deu cheque especial, cartão, financiamentos, empréstimos e assim usaram todos estes recursos, sem pensar nas conseqüências.


Bem, se você é um destes milhões de brasileiros e está totalmente endividado, usando o limite do cartão para cobrir dívidas de lojas, usando o cheque especial para cobrir despesas de casa, tirando um empréstimo para quitar outro, com contas atrasando. Se os juros estão multiplicando suas dívidas mês a mês, as cartas e ligações telefônicas de cobrança e ameaças de seus credores não param, seu nome já foi para o SPC e SERASA ou está prestes a ir e você já não consegue dormir, não consegue pensar, não sabe o que fazer, certamente sabe sobre o que estou falando.


Começa o desespero. Você está deixando de pagar contas importantes, como supermercado, aluguel, financiamento habitacional, seguro do carro, colégio das crianças, condomínio, água, luz e deixando de comprar produtos necessários para sua família, pois está tentando tapar o buraco dos juros e dos juros sobre juros.


Se você continuar cedendo, aceitando os 'acordos' e 'renegociações' totalmente injustos que são 'oferecidos' e pagando mais juros sobre as dívidas, os meses e anos passarão, você gastará uma fortuna, talvez tenha que vender o carro e a casa, destruindo o patrimônio e o orçamento da sua família, e ainda continuará devendo.



continua amanhã

informações pesquisadas no site:www.endividados.com.br

por/Por Lisandro Moraes

quarta-feira, 18 de março de 2009

A crise e as empresas!


A caminho do aeroporto, ouvi na CBN que a Embraer demitiu quatro mil pessoas por causa da crise mundial. Isso mexeu comigo e me fez pensar: não entendo como o cenário de uma empresa que vem obtendo sucesso por tantos anos muda tão bruscamente. Será que esta empresa não tinha um plano B?


Os economistas sempre avisam que todos nós precisamos ter uma vida financeira saudável, que nunca devemos gastar mais do que ganhamos, que é preciso guardar um pouco, para qualquer problema que possa surgir. Será que as empresas não fazem isso?


Quando uma empresa toma a decisão de demitir, pesa no bolso do Governo, que têm que pagar os direitos dos trabalhadores que foram contratados pela CLT, como seguro desemprego, por exemplo.


Imaginamos, então, que uma empresa X trabalhe anos num determinado seguimento. Ela é a primeira do ranking de vendas. Mas basta que se fale em crise que esta mesma empresa, que durante muitos anos ganhou dinheiro, simplesmente anuncia que vai demitir funcionários. Será que ela não guardou dinheiro para os momentos de crise?


Na minha humilde opinião, acho que devem ter dinheiro guardado sim, mas preferem mandar seus funcionários embora a mexer nessa grana.

Vamos analisar, lembrando o que disse sobre os empréstimos que as empresas pegam com o Governo.
Este dinheiro com certeza vai retornar, se o Governo emprestar para as empresas .
Porém, se as empresas demitirem funcionários, o Governo precisa pagar os direitos de cada um, como Auxilio desemprego e FGTS. Isto é, esse dinheiro não tem volta.

Com isso, a empresa que pede dinheiro emprestado para o Governo alega que sem esse dinheiro, será obrigada a demitir. Moral da história: Governo procura negociar com as empresas porque é melhor emprestar do que pagar.

terça-feira, 17 de março de 2009

O PREÇO DA FALTA DA EDUCAÇÃO FINANCEIRA PODE SER ALTO 



A falta de uma Educação Financeira pode levar a uma vida de oscilações econômicas, com graves conseqüências emocionais.
Pesquisas revelam que cerca de 50% dos casais no Brasil se separam devido a divergências em relação ao dinheiro, o que causa traumas psicológicos em todos os membros da família, principalmente nas crianças. O fenômeno também registrado em outros países em porcentagens semelhantes.


Problemas emocionais também são comuns entre pessoas de 60 a 65 anos, idade em que iniciam a aposentadoria. Nessa fase, o aposentado começa a depender do governo, porque deixou de cuidar de uma previdência, e a passar dificuldades e, em muitos casos, tem que viver à custa da família, com toda a carga psicológica da situação


SEGUEM ALGUMAS DICAS PARA SE LIVRAR DAS DÍVIDAS

Depois de listar todas as dívidas, coloque-as em ordem decrescente, da mais cara para a mais barata. As mais caras são as que você deve atacar primeiro, e não o contrário.

O ideal é que você reserve de 20% a, no máximo, 30% de sua renda mensal para o pagamento de dívidas. Mais que isso é candidatar-se a ter problemas no futuro, porque você não conseguirá manter por muito tempo a disciplina dos pagamentos mensais.



Outra providência importante é fazer um orçamento. De novo, faça uma lista.

Coloque seu salário e outras fontes de renda que tiver, no lado esquerdo, e todas as suas despesas mensais no lado direito.


Esqueça suas dívidas nesse momento. Deixe de fora até as prestações que você assumiu. Agora, subtraindo o total das despesas do total das receitas, veja quanto sobrou. Esse é o dinheiro que você tem para pagar todo mês suas dívidas.

Não se preocupe com o tempo que você vai levar para quitar suas dívidas. O fundamental é interromper o processo de endividamento e começar a liquidar seus "papagaios". Quem não deve, você sabe, vive melhor.



Se você tem um bem, poderá vender. Um carro, por exemplo. Além da economia com seguro e taxas como IPVA, você pode abater uma parte de sua dívida.


Vale citar que a venda de algum bem pode ajudar nesse processo (carro, além do $$ há a economia do IPVA, seguro, etc.)




INFORMAÇÕES PESQUISADAS http://www.serasa.com/ / www.bovespa.com.br



quinta-feira, 5 de março de 2009

Receita vai devolver IR pago sobre férias vendidas dos últimos cinco anos





A Receita Federal confirmou que estuda uma maneira de devolver ao contribuinte o IR (Imposto de Renda) pago sobre as férias vendidas nos últimos cinco anos.
A decisão de ressarcir o trabalhador sem o pedido do mesmo ocorre por orientação da Procuradoria Geral da Fazenda.Hoje, o trabalhador com carteria assinada tem, por lei, o direito de vender dez dos seus 30 dias de férias anuais.

Ao optar por isso, o empregado recebe da empresa o pagamento de mais dez dias de trabalho --sobre essa dezena, porém, sempre foi cobrado IR. Agora, o entendimento é que justamente por ser um abono indenizatório, não cabe a cobrança de qualquer imposto.O STJ (Superior Tribunal de Justiça) julga procedente esse tipo de ação de ressarcimento desde 1993 e explica que, por se tratar de verba indenizatória, e não de caráter de acréscimo patrimonial, o dinheiro não pode ser tributado como renda.A atual decisão favorece mais o contribuinte, uma vez que avança sob re anúncio feito no início do ano.

Em janeiro, a Receita informou que para reaver o IR pago sobre férias, o cidadão deveria entregar declaração retificadora dos últimos três anos (2006, 2007 e 2008). Para valores anteriores a isso --e no prazo máximo de cinco anos (2004 e 2005)--, seria preciso entrar na Justiça.

A explicação da Receita para estudar outro meio de ressarcimento é que, ao fazer a retificadora, a declaração iria diretamente para a malha fina, o que eleva a demora do processo para até cinco anos.


Apesar da nova decisão, o supervisor nacional do Imposto de Renda, Joaquim Adir, já havia informado que o trabalhador que vendeu parte das suas férias em 2008 e pagou Imposto de Renda a mais por conta disso irá receber o dinheiro de volta quando entregar sua declaração do IRPF de 2009 --o prazo começou na segunda-feira (2) e vai até 30 de abril.

Isso porque as empresas já entregaram o comprovante de rendimentos a seus empregados, neste ano, com o IR sobre as férias computado como isento.


No programa para declarar o IR neste ano, assim, as férias indenizadas devem ser lançadas em um campo próprio para rendimentos não-tributáveis.

Com isso, na hora em que o contribuinte informar os valores das férias vendidas na declaração, haverá um aumento automático da restituição a receber (ou redução do imposto a pagar).

Isso acontece porque esse valor, que antes era considerado rendimento tributável, agora vai aparecer no campo rendimentos não-tributáveis.Quem declaraEstá obrigado a declarar o contribuinte que recebeu rendimentos tributáveis superiores a R$ 16.473,72 ou recebeu rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados na fonte que ultrapassem R$ 40 mil.

O contribuinte tem até o dia 30 de abril para fornecer os dados --quanto mais cedo isso ocorre, mais rápido chega a restituição.Entre as principais novidades para a declaração neste ano estão a correção dos valores para dedução --seguindo a mudança na tabela do IR--, a mudança no horário de entrega e o fim da obrigatoriedade de se informar o número do recibo da declaração anterior.

Também houve mudanças em relação ao agendamento para pagamento parcelado do IR com débito em conta e a introdução de novas informações que aparecerão no recibo.

A Receita decidiu ainda esticar o horário de entrega do documento no último dia. Até o ano passado, o envio deveria ser feito pela internet até as 20h. Agora, o órgão vai aceitar declarações enviadas até a meia-noite.


Depois disso, o contribuinte já paga multa, que varia de R$ 165,74 a 20% do imposto devido.A declaração do IRPF 2009 pode ser feita pelo site da Receita, em disquete nas agências do Banco do Brasil ou da Caixa Econômica Federal ou em formulário nas agências e nas lojas franqueadas dos Correios. O formulário custa R$ 4.

Fonte: Folha Online, 4 de março de 2009. Na base de dados do site www.endividado.com.br.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Boas dicas ao alcance das suas mãos!


Gostaria parabenizar o banco Itaú. Pode parecer comercial, mas não é. Costumamos falar mal dos bancos: taxas altas, filas, juros altos e como sempre escuto falar: eles só pensam nos lucros. Mas quando uma instituição faz alguma coisa para ajudar seus correntistas, temos que elogiar.

Quando eu vejo comercias de bancos dizendo que os juros do cheque especial são mais baixos ou que você tem até 13 dias para pagá-los, e ainda que você pode parcelar o seu cheque especial, a intenção é induzir as pessoas a usarem cada vez mais esses serviços. E eu já fui uma pessoa totalmente descontrolada financeiramente, mas depois de estudar tantos anos, acabei resolvendo a minha vida e ajudando muitas pessoas.

E é com a intenção de continuar ajudando que indico a cartilha do banco Itaú. Ela é muito fácil de ser entendida, com certeza quem estiver com dívidas, se seguir as dicas da cartilha com paciência, conseguirá sair do vermelho.


Lembrando que ela não é mágica e que você precisará seguir as recomendações sobre todos os assuntos relacionados nelas.

Então, aproveite essa oportunidade, vá até um banco Itaú, pegue a sua cartilha e tome algumas decisões na sua vida que ajudarão você a cuidar melhor do seu dinheiro.

Sabe o que é melhor?? Ela é de graça!!

Boa leitura!


Revisado por: Cristiane Cardoso

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

A CRISE




UM HOMEM VIVIA À BEIRA DE UMA ESTRADA E VENDIA CACHORRO QUENTE.ELE NÃO TINHA RÁDIO, TELEVISÃO E NEM LIA JORNAIS, MAS PRODUZIA E VENDIA BONS CACHORROS QUENTES.

ELE SE PREOCUPAVA COM A DIVULGACÃO DO SEU NEGÓCIO E COLOCAVA CARTAZES PELA ESTRADA, OFERECIA O SEU PRODUTO EM VOZ ALTA E O POVO COMPRAVA. AS VENDAS FORAM AUMENTANDO E, CADA VEZ MAIS ELE COMPRAVA O MELHOR PÃO E A MELHOR SALSICHA. FOI NECESSÁRIO TAMBÉM ADQUIRIR UM FOGÃO MAIOR PARA ATENDER UMA GRANDE QUANTIDADE DE FREGUESES, E O NEGÓCIO PROSPERAVA . . . SEU CACHORRO QUENTE ERA O MELHOR DE TODA REGIÃO !

VENCEDOR, ELE CONSEGUIU PAGAR UMA BOA ESCOLA AO FILHO. O MENINO CRESCEU E FOI ESTUDAR ECONOMIA NUMA DAS MELHORES FACULDADES DO PAÍS.
FINALMENTE, O FILHO JÁ FORMADO, VOLTOU PARA CASA, NOTOU QUE O PAI CONTINUAVA COM A VIDINHA DE SEMPRE E TEVE UMA SÉRIA CONVERSA COM ELE :- PAI, ENTÃO VOCÊ NÃO OUVE RADIO? VOCÊ NÃO VÊ TELEVISÃO E NÃO LÊ OS JORNAIS?HÁ UMA GRANDE CRISE NO MUNDO.

A SITUACÃO DO NOSSO PAÍS É CRÍTICA. ESTA TUDO RUIM. O BRASIL VAI QUEBRAR.
DEPOIS DE OUVIR AS CONSIDERACÕES DO FILHO DOUTOR, O PAI PENSOU: BEM, SE MEU FILHO QUE ESTUDOU ECONOMIA, LÊ JORNAIS, VÊ TELEVISÃO, ACHA ISTO ENTÃO SÓ PODE ESTAR COM A RAZÃO.

COM MEDO DA CRISE, O PAI PROCUROU UM FORNECEDOR DE PÃO MAIS BARATO ( E CLARO, PIOR ) E COMECOU A COMPRAR SALSICHAS MAIS BARATA ( QUE ERA, TAMBÉM, A PIOR ).PARA ECONOMIZAR, PAROU DE FAZER CARTAZES DE PROPAGANDA NA ESTRADA.

ABATIDO PELA NOTICIA DA CRISE JÁ NÃO OFERECIA O SEU PRODUTO EM VOZ ALTA.
TOMADAS ESSAS 'PROVIDÊNCIAS', AS VENDAS COMECARAM A CAIR E FORAM CAINDO, CAINDO E CHEGARAM A NÍVEIS INSUPORTÁVEIS E O NEGÓCIO DE CACHORRO QUENTE DO VELHO, QUE ANTES GERAVA RECURSOS ATÉ PARA FAZER O FILHO ESTUDAR ECONOMIA NA MELHOR ESCOLA, QUEBROU.

O PAI, TRISTE, ENTÃO FALOU PARA O FILHO: - 'VOCÊ ESTAVA CERTO, MEU FILHO, NÓS ESTAMOS NO MEIO DE UMA GRANDE CRISE. ' E COMENTOU COM OS AMIGOS, ORGULHOSO:- 'BENDITA A HORA EM QUE EU FIZ MEU FILHO ESTUDAR ECONOMIA, ELE ME AVISOU DA CRISE ...'

APRENDAMOS UMA GRANDE LIÇÃO : VIVEMOS EM UM MUNDO CONTAMINADO DE MÁS NOTICIAS E SE NÃO TOMARMOS O DEVIDO CUIDADO, ESSAS MÁS NOTICIAS NOS INFLUENCIARÃO A PONTO DE ROUBAR A NOSSA FELICIDADE E PROSPERIDADE DE NOSSOS NEGÓCIOS, ENFIM ARRUINANDO NOSSA VIDA.



E acho que isso serve pra todas as áreas da vida !!!!!!! "

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Fique de olho nos descontos!


Em tempos de crise financeira, devemos estar cada vez mais atentos aos preços dos produtos e serviços. Outro dia saí pra comprar o armário da minha filha que nascerá em abril deste ano. Como sou um cara organizado com as minhas finanças, sempre pesquiso muito os preços antes de fechar uma compra. Depois de muito andar, encontrei um com um valor razoável. Como ia pagar à vista, pedi um desconto. O lojista me ofereceu 15%, achei que era uma boa percentagem e decidi fechar, quando veio a surpresa. O armário custava R$ 2 mil, com o desconto oferecido (15% = R$ 300), o armário sairia, então, por R$ 1700. E não é que o vendedor fez uma conta totalmente diferente?


R$ 2.000,00 - 10% (R$200) = 1.800,00 - 2% (R$ 36) = R$ 1.764 - 3% (R$ 52,92) Total = R$1.711,00

PODE PARECER PEQUENA A DIFERENÇA DE R$11,00, MAS COM ESSE DINHEIRO, VOCÊ PODE PAGAR O ESTACIONAMENTO + UM LANCHE.

Aproveitando o assunto lojista:

Uma frase curiosa que costumamos escutar muitos dos lojistas é “se você encontrar um valor mais barato do que o nosso, nós cobrimos a oferta”. Eu não concordo com essa estratégia de venda, se depois de muito andar, encontro um valor mais em conta, prefiro fechar com a loja que me vende mais barato de cara e não volto na outra. O certo seria a concorrente me oferecer um valor ainda mais baixo, afinal, já gastei as solas do meu sapato em busca de um preço melhor, que lucro teria voltando tudo que andei?

Moral da história: Fique ligado no real desconto que a loja está oferecendo e se for comprar à vista SEMPRE peça desconto!

BOA EDUCAÇÃO FINANCEIRA !!

Revisão de texto: Cristiane Cardoso

COMPRADORES COMPULSIVOS





Gastar demais pode ser sinal de doença



Muitos são os motivos que levam uma pessoa a comprar: a necessidade, a diversão, os modismos, a importância, o status e o apelo mercadológico do comércio. Mas há quem consuma pelo simples prazer de comprar, de adquirir alguma coisa independente da sua utilidade ou significado.


O ato de comprar indiscriminadamente é uma doença chamada oneomania, que atinge as pessoas caracterizadas como compradoras compulsivas.Alguns especialistas consideram a oneomania uma doença obsessiva - compulsiva. Nesse caso, a pessoa teria outros comportamentos compulsivos característicos, além de comprar – como contar objetos sem conseguir parar, por exemplo. No caso desses sintomas estarem ausentes, a oneomania é considerada um distúrbio no bastante controvertido do ponto de vista psiquiátrico e psicológico.




Continua amanhã

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

CUIDADO COM COMPRAS A PRAZO




Estudos nacionais da Serasa revelam que quanto maior o número de parcelas oferecido ao consumidor maior é o risco de inadimplência.

Ou seja, à medida que aumenta o prazo do cheque para compensação, o risco de que ele não tenha fundos cresce exponencialmente.
De acordo com os estudos, houve um alongamento nos prazos de recebimento de cheques pré-datados nos últimos anos.
O aumento da inadimplência com o passar do tempo pode ser atribuído, de um lado, a uma parte dos lojistas, que, ao esticar os prazos, não usa metodologias adequadas de análise de crédito, e, de outro, ao consumidor, que não planeja o seu orçamento.

O cheque à vista é um instrumento de pagamento muito seguro. O problema é que muitos lojistas passaram a confiar no pré-datado como se ele fosse um cheque à vista. Só que os riscos não são iguais.

O cheque pré-datado é um excelente instrumento de pagamento, desde que seja tratado pelo lojista como uma venda a prazo. Isso significa ter métodos para analisar a capacidade de pagamento do cliente ao longo do tempo. Não basta consultar o primeiro cheque para saber se a venda é boa ou não. É preciso uma gestão mais técnica dos cheques.

Quanto ao consumidor, o que se observa é que, aparentemente, a maioria não faz planejamento a longo prazo. Quando compra os presentes, no Dia das Crianças, em outubro, em seis parcelas, ele não costuma parar para pensar que, em dezembro, haverá mais despesas com o Natal e, em janeiro e fevereiro, terá gastos extras, como IPVA, uniforme e material escolar. Além disso, não trabalha com a possibilidade de um imprevisto, como doença ou desemprego.



Informações pesquisadas na internet

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

A VAQUINHA



Um Mestre da sabedoria passeava por uma floresta com seu fiel discípulo, quando avistou ao longe um sítio de aparência pobre e resolveu fazer uma breve visita...

Durante o percurso ele falou ao aprendiz sobre a importância as visitas e as oportunidades de aprendizado que temos, também com as Pessoas que mal conhecemos.

Chegando ao sítio constatou a pobreza do lugar, sem calçamento, casa demadeiras, os moradores, um casal e três filhos, vestidos com roupas rasgadas e sujas...

Então se aproximou do senhor aparentemente o pai daquela família eperguntou:
Neste lugar não há sinais de pontos de comércio e de trabalho,Então como o senhor e a sua família sobrevivem aqui?

E o senhor calmamente respondeu:"Meu amigo, nós temos uma vaquinha que nos dá vários litros de leite todos os dias. Uma parte desse produto nós vendemos ou trocamos na cidade vizinha por outros gêneros de alimentos e a outra parte nós produzimos queijo, coalhada, etc ... para o nosso consumo, e assim vamos
sobrevivendo".

O sábio agradeceu a informação, contemplou o lugar por uns momentos,depois se despediu e foi embora. No meio do caminho, voltou ao seu fiel discípulo e ordenou:

Aprendiz, pegue a vaquinha, leve-a ao precipício ali na frente eempurre-a, jogue-a lá em baixo".
O jovem arregalou os olhos espantando e questionou o mestre sobre o fatoda vaquinha ser o único meio de sobrevivência daquela família, mas, como percebeu o silêncio absoluto do seu mestre, foi cumprir a ordem. Assim,
empurrou a vaquinha morro abaixo e a viu morrer.

Aquela cena ficou marcada na memória daquele jovem durante alguns anos e um belo dia ele resolveu largar tudo o que havia aprendido e voltar naquele mesmo lugar e contar tudo àquela família, pedir perdão eajudá-los.

Assim fez, e quando se aproximava do local avistou um sítio muito bonito,com árvores floridas, todo murado, com carro na garagem e algumas crianças brincando no jardim. Ficou triste e desesperado imaginando que aquela humilde família tivera que vender o sítio para sobreviver, "apertou" o passo e chegando lá, logo foi recebido por um caseiro muito
simpático e perguntou sobre a família que ali morava há uns quatro anos e o caseirorespondeu:Continuam morando aqui.

Espantado ele entrou correndo na casa, e viu que era mesmo família que visitara com o mestre.

Elogiou o local e perguntou ao senhor (o dono da a vaquinha):Como o senhor melhorou este sítio e está tão bem de vida ???E o senhor entusiasmado, respondeu:


Nós tínhamos uma vaquinha que caiu no precipício e morreu, daí em diante tivemos que fazer outras coisas e desenvolver habilidades que nem sabíamos que tínhamos, assim alcançamos o sucesso que seus olhos vislumbram agora...

PONTO DE REFLEXÃO:

Todos nós temos uma vaquinha que nos dá alguma coisa básica parasobrevivência e uma conveniência com a rotina. Descubra qual é a sua ... empurre a sua
"vaquinha"
morro abaixo.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

DESCUBRA CADÊ SEU DINHEIRO






O maior desafio para quem quer investir em geral é encontrar o dinheiro.
Você sempre escuta os analistas dizerem: "Comece cedo".
Mas o que você quer realmente saber é: "Quando vou conseguir dinheiro para iniciar meu plano de investimento"?
Talvez você tenha a sorte de ganhar um bom dinheiro na loteria esportiva.
Ou quem sabe casar com alguém nascido nos chamados "berços de ouro".
Mas você acredita mesmo que o dinheiro cai do céu?
O fato é que se você está esperando ganhar um dinheiro extra para iniciar sua carteira de investimento, esqueça.
O que lhe falta é um planejamento que ajudará a fechar os ralos por onde escoa hoje boa parte de sua renda.

INFORMAÇÕES PESQUISADAS NA INTERNET

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

FAÇA AS CONTAS ANTES DE PEDIR DINHEIRO






Se possuir dinheiro guardado, antes de solicitar qualquer empréstimo, o consumidor deve fazer as contas.


Isso porque em muitos casos é provável que valha mais a pena mexer nos investimentos.


Segundo os especialistas, tem muita gente que se recusa a resgatar o que poupou e prefere fazer um empréstimo, mas dificilmente uma aplicação apresentará rentabilidade maior do que o valor dos juros cobrados no mercado.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

DICAS DE LIVROS E BOA LEITURA



•INVESTIMENTOS, COMO ADMINISTRAR MELHOR SEU DINHEIRO, DE MAURO HALFELD, EDITORA FUNDAMENTO.


• O MILIONÁRIO QUE EXISTE EM VOCÊ, VICTOR ZAREMBA, EDITORA RECORD.


• GUIA ECONÔMICO DE FINANÇAS PESSOAIS, MARA LUQUET, EDITORA GLOBO.


• FAÇA O MÁXIMO COM O DINHEIRO QUE VOCÊ JÁ TEM, CAROL KEEFE, EDITORA CAMPUS

• COMO CUIDAR DE SEU DINHEIRO, COMPILAÇÃO UNIBANCO


• PAI RICO, PAI POBRE, ROBERT KIYOSAKI, EDITORA CAMPUS


• INDEPENDÊNCIA FINANCEIRA, ROBERT KIYOSAKI, EDITORA CAMPUS


• DICAS DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA PARA JOVENS, CÁSSIA D’AQUINO


• A ENERGIA DO DINHEIRO, GLÓRIA MARIA GARCIA PEREIRA, EDITORA CAMPUS

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

PRIMEIROS PASSOS


Primeiros passos


Poucos brasileiros têm o hábito de colocar no papel suas receitas e despesas. Organizar as contas significa ter real dimensão de sua saúde financeira. Feito isso, você pode ter uma agradável surpresa, e descobrir que tem mais dinheiro do que pensa, ou tomar um baita susto com o tamanho da sua dívida.


Sem um planejamento realista fica difícil reservar algo para investir. Portanto, você deve aprender a organizar sua vida financeira, para descobrir como transformar os sonhos de hoje em uma realidade futura.


Quantas vezes você já teve a sensação de que seu dinheiro simplesmente evaporou?Aquela nota de R$ 50,00 some de sua carteira e você nem lembra como gastou.


A sua previsão, feita no início do mês, de que teria dinheiro sobrando quando terminasse de pagar as contas quase sempre se transforma numa peça de ficção.
Estes são alguns sintomas da falta de planejamento financeiro. Sem planejamento, não há como realizar seus sonhos.


Como montar um orçamento pessoal adequado
Identifique onde vai parar seu salário todo o mês. Para isso, faça uma lista com todas as suas despesas, das maiores até as mais corriqueiras;


Faça uma fotografia detalhada de todas as suas receitas, despesas, dívidas e seus investimentos
Junte a família e juntos avaliem os gastos.
É fundamental que toda a família participe dos seus planos financeiros.
Desta forma, todos ficarão comprometidos com um mesmo objetivo
Faça um orçamento.
Ele deve ser simples, incluindo suas receitas e todas suas despesas. Um orçamento lhe dará exata dimensão de quanto ganha, e principalmente quanto precisa para realizar seus sonhos.


Agora você tem um panorama perfeito sobre sua vida financeira. O próximo passo é escolher o caminho de seus investimentos.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

10 DICAS PARA SAIR DA ARMADILHA DA INADIMPLÊNCIA


1-Seguir as dicas do quadro “Primeiros passos para não cair na armadilha da inadimplência”

2- Se desfaça de um bem, o carro, por exemplo, para eliminar uma dívida.

3- Pratique a avareza. Neste caso não é pecado.

4 -Corte a TV a cabo e o celular, prefira um pré-pago.

5 -Passe um ano sem comprar roupas novas.

6 -Volte a freqüentar o sapateiro da esquina, tire do baú os modelitos que aposentou na última estação.

7- Passe longe dos shopping centers.

8 -Renegocie dívidas, quando nem o corte de despesas não-essenciais resolver o problema. Cuidado para não cair num golpe e não trocar uma dívida por outra.

9- Saia do cheque especial e busque um empréstimo pessoal, mas antes confirme se os juros e as condições são favoráveis. A mesma dica é dada para quem está com dívida no cartão de crédito. Ou procure um empréstimo familiar. Mantenha sempre uma“ficha limpa” com seus familiares e amigos, pagando rigorosamente em dia seus empréstimos. Essa costuma ser a mais barata fonte de crédito.

10 -Adquira o hábito de comprar à vista e adie a compra enquanto não tiver o dinheiro todo. Uma interessante alternativa é buscar comprar bens usados que, geralmente, são muito mais baratos. Livros, eletrodomésticos e móveis podem muito bem ser adquiridos em“segunda-mão”. Nos EUA isso é muito comum até para a classe média.

PRIMEIRA TURMA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA



ESSA FOI A MINHA PRIMEIRA TURMA NO PROJAC.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

A INFLUÊNCIA DO MEIO EM QUE VIVEMOS

Segundo os consultores financeiros, o meio em que vivemos exerce uma enorme influência sobre a forma como lidamos com o dinheiro.

Se nossos amigos e colegas de trabalho são consumidores ingênuos, há uma forte tendência em seguirmos o padrão.

Na família, conceitos sobre poupança e investimento passam de pai para filho.

No Brasil ainda há poucos textos sobre finanças pessoais e a maior parte da cultura financeira de uma família ainda é adquirida de uma maneira informal.

Os consultores ressaltam que as pressões da sociedade e pessoas que nos cercam são determinantes.

Nos tornamos consumistas, desejando muitas vezes adotar estilos de vida que não são os nossos, apenas para nos igualarmos a pessoas que admiramos. Os consultores alertam que devemos conhecer perfeitamente nossas limitações e viver de acordo com nossas receitas, o que geralmente não acontece.

INFORMAÇÕES PESQUISADAS NA INTERNET WWW.SERASA.COM.BR

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Flynveste no Mais Você



Quer contratar o Fly Investe? Entre em contato (21) 7834-5142.

O que achou desta matéria? Que dica gostaria de ver aqui? Mande seu comentário!

domingo, 4 de janeiro de 2009

Saiba quem sou e eu e como posso te ajudar

Vagner Meneses Pereira. Esse é o nome do mais novo educador financeiro do mercado brasileiro.

Até aí estaria tudo normal, se não fosse a revelação de que esse Vagner é o Fly, o coreógrafo da Xuxa e do Caldeirão do Huck.
Ele começou dando alguns conselhos para amigos, e a procura foi tão grande, que criou o “Flynveste”, um email gratuito com dicas de finanças, que é enviado diariamente para dezenas de pessoas. E então não parou mais. Ele também dá cursos, aulas e palestras sobre o assunto.


A pergunta é: “O que um coreógrafo está fazendo no ramo de investimentos?”

E a resposta ele mesmo explica: “Eu estava na faculdade de marketing e em uma ótima fase profissional, mas estava gastando mais do que deveria e acabei ficando com algumas dívidas. Existia uma matéria na faculdade chamada “Finanças e Marketing” que era muito complicada e com uma linguagem difícil, mas o professor sabia muito sobre o assunto. Acabei pedindo ajuda para os meus problemas financeiros pessoais e ele me deu o cartão dele. Se meu problema era justamente estar sem dinheiro, eu não podia pagar a consulta dele, por isso, resolvi correr atrás sozinho”.



Após isso, Fly se formou em Marketing e há 10 anos se especializa na área financeira.


O objetivo de Fly é que a pessoa saiba como estar preparado para o mercado financeiro, sabendo assim como lidar com o seu dinheiro. Com isso, ele orienta as pessoas a começarem a pensar no investimento a longo prazo, o principal foco de seu ensino. Para o educador, é apenas dessa forma que se pode fazer o dinheiro aumentar de forma significativa.

Mas se você pensa que vai ver em sala de aula formalidades como siglas difíceis ou terno e gravata, engana-se. Fly ensina tudo de maneira rápida, prática, simples e com muito alto astral, sua maior característica.



Isso tudo, para mostrar que um coreógrafo pode sim fazer parte do ramo dos negócios, do investimento, do dinheiro. Porque ele, melhor do que ninguém, pode fazer uma “coreografia” para aumentar a renda e não deixar ninguém dançar diante de algum problema financeiro.